segunda-feira , 30 novembro 2020

Modelo transexual relata alívio ao ver agressor preso, mas diz estar com medo: ‘ainda não me sinto segura’

A modelo transexual Alice Felis, que foi roubada e agredida dentro de seu apartamento, na Zona Sul do Rio de Janeiro, na madrugada do último domingo (16), esteve frente a frente com o suspeito do crime, Lucas Brito Marques, nesta quinta-feira (20), na delegacia de Copacabana.

Alice disse ter ficado muito abalada ao ver Lucas. Segundo ela, foi difícil olhar diretamente para ele. A modelo contou que ficou aliviada pela prisão do rapaz, mas que ainda não se sente segura depois de tudo que passou.

“Estou um pouco aliviada sim. Não 100%. Graças a Deus ele foi pego e reconhecido. Mas ainda não me sinto segura”, contou Alice ao deixar a delegacia.

 

Lucas foi reconhecido pela vítima como sendo o autor das fortes agressões e por ter roubado o seu apartamento. Ao G1, a advogada da vítima explicou que o agressor deu socos em seu rosto e tentou esfaqueá-la.

“Ela já havia feito o reconhecimento por foto. Mas hoje foi o reconhecimento pessoal, quando ela pode ver o agressor, mas sem que ele pudesse ver onde ela estava”, explicou Feh Oliveira, advogada de Alice.

 

A advogada contou ainda que no momento da identificação pessoal, Alice ficou muito nervosa.

“Foi bem tenso porque ela mesmo não conseguia olhar pra ele. Ela estava muito nervosa, principalmente pelo perigo que ele representa”, contou a advogada.

 

Imagem do chão do apartamento sujo de sangue — Foto: Reprodução/ Rede social

Imagem do chão do apartamento sujo de sangue — Foto: Reprodução/ Rede social

Prisão preventiva

 

Segundo a delegada Bianca Lima, responsável pelas investigações, Lucas é ‘extremamente perigoso’.

“O Lucas é um indivíduo extremamente perigoso, ostentando um histórico criminal com mais de 20 anotações, por práticas de atos infracionais e crimes, apesar da pouca idade”, afirma a delegada Bianca Lima.

 

Lucas Brito Marques, que foi preso na madrugada desta quinta, vai responder por tentativa de latrocínio, que é roubo seguindo de morte.

Suspeito de agredir e roubar modelo transexual em Copacabana é preso
Suspeito de agredir e roubar modelo transexual em Copacabana é preso

Por conta desse caso, ele teve sua prisão preventiva decretada pelo prazo de 30 dias, enquanto seguem as investigações.

Além da agressão contra Alice, Lucas já tem outras 20 passagens na polícia por roubo, tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. Com um mandado de prisão temporária, ele será encaminhado para a Polinter e depois para o sistema carcerário do RJ.

Na opinião da advogada de Alice, a motivação para o crime foi a transfobia.

“Ele aproveitou do fato dela morar sozinha. Ele percebeu que ela se vestia bem, tinha um bom celular e morava num apartamento legal. Ele já estava com a intenção de cometer o crime”, contou Feh.

 

Para Feh Oliveira, o caso da Alice ajuda a quebrar preconceitos.

“O caso da Alice muda o paradigma da Justiça brasileira. As pessoas estão acostumadas a verem a transexual, a travesti, na posição de ladra e de agressora. Isso é em razão do estigma e da marginalização que essa população sofreu ao longo da história. Então as pessoas tendem a desconfiar da Alice, acham que ela está mentindo, fazendo isso para aparecer. Entretanto, os médicos legistas ficaram impressionados com a brutalidade. Em situações normais de violência doméstica e agressão, a vítima vai uma vez no IML e pronto. A Alice vai ter que retornar mais 3 vezes, além de ser submetida a diversas cirurgias. Então o caso dela é muito grave”, explicou Feh.

A advogada também contou que ela foi convidada para ser madrinha do Instituto Digital de Combate à LGBTfobia.

Mobilização

 

A agressão a Alice foi parar nas redes sociais. Artistas mostraram solidariedade à modelo. “Gente, eu fiquei sabendo do caso da Alice Felis, uma mulher trans que foi agredida ontem à noite aqui no Rio, foi espancada dentro do apartamento dela”, disse a cantora Preta Gil.

“Já assisti, já chorei de ódio dessa transfobia maldita que ainda existe, não é possível!”, afirmou a atriz e influenciadora digital Kéfera Buchmann.

 

“Eu espero do fundo do meu coração que quem fez isso pague, que seja preso e que a justiça seja feita”, comentou a cantora Pablo Vittar.

G1

Sobre destaquecidade destaquecidade

NOTÍCIAS DO TOCANTINS - BRASIL - MUNDO

Veja Também

TSE obriga partidos a criar cota de fundo eleitoral para negros

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu nesta terça-feira (25) obrigar os partidos a destinarem recursos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat